Começar a pedalar é simples, basta vontade, iniciativa e uma bicicleta. Ao mesmo tempo que é simples, basta querer entrar neste universo e se dispor a adquirir uma bike para se deparar com inúmeras possibilidades que as vezes podem confundir como escolher a melhor bicicleta: entre diferentes modalidades, diferentes modelos, diferentes tamanhos, diferentes preços e diferentes estilos.

Uma possível confusão neste momento, e uma aquisição errada, provavelmente levará a frustração e de repente até um enfraquecimento da própria vontade de pedalar, por isso é importante atenção a alguns fatores na hora de fazer sua aquisição para iniciar suas pedaladas.

Além da frustração a escolha errada pode, também, acabar por provocar desconfortos e dores, as quais o ciclista desavisado pode acreditar que fazem parte dos efeitos da própria atividade, mas que podem ser consequências de uma bicicleta desajustada ao ciclista e a atividade praticada.

Irei listar alguns fatores básicos que são imprescindíveis para que se faça uma aquisição adequada e se aproxime das expectativas do ciclista iniciante, proporcionando os benefícios que a bicicleta pode oferecer, minimizando desconfortos e dores, minimizando gastos desnecessários e possibilitando o maior desfrute possível nas pedaladas.

Ao nos perguntarmos como escolher uma bike devemos primeiramente nos perguntar qual é o uso que será feito da bicicleta, será fundamental uma bicicleta no tamanho ideal para o ciclista, precisamos também estipular uma margem de gasto disponível para esta aquisição, assim como a pretensão deste ciclista em relação a qualidade de bicicleta que almeja.

Qual o uso

Um primeiro esclarecimento é fundamental para se aproximar de como escolher uma bicicleta ideal: qual é o uso que será feito da bicicleta? Será uma bicicleta para o lazer e passeios curtos? Será uma bicicleta utilizada na terra ou no asfalto? Em ambos? Se pretende usar para treinar e extrair a melhor performance do corpo? Ou será utilizada como meio de transporte? Gostaria de uma bicicleta que proporcione todos estes usos?

Para esclarecer estas questões é interessante termos em mente que o ciclismo oferece diferentes modalidades, inicialmente podemos diferenciar duas grandes modalidades, por mais que elas não resumam o universo do ciclismo podem servir como uma primeira organização: Montain Bike e Road Bike, ou seja, bicicletas para montanha, trilhas, estradas de terra de um lado e bicicletas para vias e estradas asfaltadas por outro.

Fica simples começar a entender esta diferença ao pensarmos nos pneus, não renderia muito pedalar em uma trilha de terra úmida e cascalho com pneus lisos de 25mm, como é o caso das Road Bikes, também é simples perceber que não renderia muito pedalar em uma longa e aberta estrada asfaltada com pneus de 5cm cheio de cravos. Deste modo uma primeira e básica pergunta é: a bicicleta será usada na terra ou no asfalto?

Em seguida pode ser esclarecedora a consideração acerca do posicionamento na bicicleta. Pela regularidade de vias asfaltadas e pelo maior rendimento da força sobre o solo o posicionamento ideal do corpo acaba por ser de um determinado modo, enquanto que a irregularidade de uma via de terra, a necessidade de agilidade e a diferente relação entre o rendimento da força e o solo, assim como o atrito do pneu, proporciona um outro posicionamento ideal para que o corpo possa ser otimizado e minimizados os desconfortos e dores. Deste modo podemos entender como cada modalidade oferece uma geometria de bicicleta diferente, o que proporciona mais conforto e mais rendimento.

No entanto, no que diz respeito ao conforto e rendimento, devemos nos fazer uma outra pergunta: se busca competir, treinar, extrair a melhor performance do corpo, ou se pretende utilizar a bicicleta, seja na terra seja o asfalto, como um meio de transporte ou meio de lazer. Esta resposta ira indicar, seja nas Montain Bikes seja nas Road Bikes, qual a geometria de bicicletas ideal para o uso determinado.

Atualmente contamos também com bicicletas híbridas, que oferecem uma diversidade maior em seu uso, porém menor rendimento se comparada a bicicletas direcionadas e específicas. Estas bicicletas podem ser tanto um hibridismo que trás o posicionamento mais confortável das Montain Bikes para o uso em vias asfaltadas, trazendo pneus mais finos e mais lisos para otimizar seu rendimento, como levar o posicionamento mais agressivo das Road Bikes para terrenos mais irregulares, trazendo pneus mais largos e com ranhuras mais expressivas.

Podemos, ainda, pensar em uma bicicleta simplesmente para passear, em terrenos predominantemente planos e regulares, poderíamos então pensar em uma bicicleta que possa proporcionar o maior conforto possível, já que não se visa nenhum tipo de rendimento, não será necessária muita agilidade e nem grandes esforços, proporcionando uma bicicleta com uma mistura de geometria e pneus que possa acolher o corpo da melhor maneira e cumprir sua função de passeio do modo mais prazeroso.

Outro fator que entraria no tópico uso seriam as marchas, no entanto este assunto deixaremos para um próximo artigo dedicado exclusivamente a isso.

Tamanho e Medidas

Esclarecido qual será o uso pretendido com a bicicleta, será determinante para se aproximar de uma bicicleta ideal adquirir uma bicicleta no tamanho correto.

Este fator está estritamente ligado a geometria da bicicleta anunciada no tópico anterior. Entre as diversas medidas de comprimentos e ângulos que uma bicicleta apresenta e suas diferentes relações com as medidas especificas de cada corpo, desde tamanho de pernas, tronco, flexibilidade, largura de ombros, e assim por diante, a medida básica a ser observada em um primeiro momento é a medida do cavalo do ciclista em relação a altura do quadro da bicicleta.

Para isto basta se encostar de costas em uma parede, ereto, e marcar a altura do entre-pernas, esta é a medida do cavalo. A partir desta medida basta seguir a tabela (hiperlink) para identificar o tamanho da bicicleta, seja para Montain Bikes, seja para Road Bikes, seja para Híbridas e passeio.

Qualidade e valor

Por fim, será inevitável se deparar com a questão do valor da bicicleta, uma rápida pesquisa e podemos encontrar bicicletas de mil reais até bicicletas de cem mil reais. Talvez a regra do mais caro melhor não se aplique indiscriminadamente neste caso, a depender do uso, da pretensão de durabilidade, qualidade e da condição econômica podemos extrair as melhores possibilidades.

Uma primeira questão pode ser estipular, diante da situação econômica do ciclista, qual é o gasto possível para se colocar em uma bicicleta, e a partir desta possibilidade procurar o melhor custo benefício dentro de suas pretensões com uma bicicleta.

Estará em jogo primeiramente a segurança, componentes com qualidade garantida evitam acidentes com quebras.

Estará em jogo também a durabilidade do componente, assim como a margem de rendimento que este componente pode proporcionar, componentes de carbono, por serem mais leves e mais rígidos otimizam a força do ciclista, no entanto são mais caros, com maior demanda de manutenção especializada e frequente, o que aumenta o custo de vida da bicicleta ou reduz sua durabilidade, além de que talvez não faça sentido, para quem está procurando melhores custos benefícios, uma bicicleta com componentes de carbono para um uso, por exemplo, a passeio.

Deste modo, esclarecidos os itens acima, precisaremos estipular uma margem de gasto possível no universo do ciclista, tendo em mente que componentes de qualidade garantida proporcionam mais segurança, além de possibilidades de troca e manutenção com maior facilidade e, quando escolhidas marcas renomadas, as quais produzem equipamento tanto para profissionais como para uso comum, aumentam as chances de um componente de qualidade e muitas vezes com garantia.

Esperamos com estes três itens introduzir o ciclista iniciante nas questões básicas a serem consideradas para a aquisição de sua bicicleta.

Qualquer dúvida, crítica ou sugestões deixe seu comentário!